Clareador Cerebral


Escrevendo uma ficção para a Marie Claire

 Na verdade, tenho medo do que as pessoas pensam de uma mulher de 59 anos como eu. Sempre tive uma vida regrada. Desde a separação, nunca me imaginei casada com alguém novamente e sempre colhi relacionamentos casuais somente para continuar a me sentir mulher.

 Minha única filha, a Bárbara, sempre foi uma menina incrível. Dedicada, inteligente, saiu de casa cedo e sempre me honrei por tê-la como filha. Ela sempre foi moderna e para acompanhá-la, tive de ler muito e observar outras mães (cujas características me enojam). Digamos que tenho uma filha incrível.

 A Bárbara não queria casar. Nunca quis e nunca o fez até hoje. Porém, divide um apartamento com o namorado. Quando ela decidiu morar com o Pedro, eu não o conhecia e hesitei um pouco, mas ao conhecer o rapaz, na hora apoiei e apoio até hoje. Pedro é sem dúvidas um rapaz trabalhador e que a ama, mas que infelizmente não foi capaz de se conter.

 Sei que muitos de vocês já começaram a imaginar o que acontece, mas o réu confesso sempre é mais romântico. Era Natal, há quatro anos mais ou menos. Bárbara foi dormir, enquanto eu e Pedro arrumávamos a casa. Era apenas uma cena comum de uma família. O apartamento tinha copos espalhados e como passaria a noite por lá, não me importei em ajudar. Na cozinha, enquanto estava com o corpo encostado na pia, Pedro veio e cheirou meus cabelos. Na mesma hora soltou quase que um sussurro e disse que o cheiro de mãe e filha eram iguais. Virei assustada e fiquei cara a cara com aquele que levava minha filha para a cama todos os dias. Uma loucura súbita invadiu o meu corpo e o beijei como nunca antes havia beijado alguém. Na mesma hora Pedro abriu a calça jeans e penetrou em mim como um animal, me rasgando por dentro e me molhando aos poucos com o que eu produzia. Trepamos por 10 minutos. Depois de gozar, Pedro saiu de mim, abaixou a cabeça e chorou.

 Dia seguinte fiz rabanadas para Bárbara e fui embora. Não queria tomar banho, pois aquele cheiro me fazia tão bem que nem pensava ser do namorado da minha filha. Às três horas toca minha campainha. Era Pedro trazendo meus sapatos que propositalmente havia esquecido o par na sala de estar. Trepamos por algumas horas naquela tarde de Natal.

 Eu e Pedro começamos a nos encontrar em outros lugares. Comecei a descobrir segredos e detalhes daquele que era o grande amor de minha filha. Cada vez que íamos para cama, sentia-me professora de um filho, de um pupilo aprendiz. Bárbara me contava segredos e eu, involuntariamente, contava à minha filha realmente o que seu amante queria dizer e queria que ela fizesse. Fui para cama com Pedro nas viagens da Bárbara, enquanto ela tomava banho, enquanto dormia na casa de verão, na minha cama, na cama do casal e em todos os carros da família. Gostava de pensar que ele amava minha filha e trepava comigo. Sentia-me a solução para que esse homem não a magoasse, pois aquele segredo nunca seria revelado por mim, como normalmente é feito por amantes inconformadas.

 Essa noite foi a pior de minha vida. Há dias comecei a vomitar e conseqüentemente Bárbara também. Pensei ser a feijoada do sábado e fomos juntas ao médico. Na verdade, minha menopausa estava em transe e estava supostamente grávida. Bárbara também. Fizemos ultra-som e choramos juntas. Ela não queria que eu tirasse o bebê filho de um namorado bobo qualquer. Da mesma forma que ela quer tirar o bebê, fruto de seu caso com Fernando, irmão de Pedro, até então caso desconhecido por mim.

 Pedi para que ela nunca, em hipótese alguma assumisse a paternidade de seu filho e ontem, “perdi” o bebê. A causa: Minha idade. A verdade: Citotec  comprado através da empregada. Ela terá meu neto e está radiante.

 Pedro veio me ver hoje – trouxe flores e chorou um pouco. O beijei e pedi que amasse meu neto como nunca amou nada neste mundo. Pediu desculpas pelo nosso filho e disse que voltaria em alguns dias com a Bárbara.

 Levantei, entrei no escritório e escrevi este e-mail para a redação de vocês. Se vai ser publicado, eu não tenho a menor idéia, mas posso dizer que meu único amor no mundo é por um fruto do meu ventre. Só não posso ser julgada por ter tirado proveito de um homem e feito um favor para o meu amor. Pedro, sem dúvidas, será um ótimo pai e nunca mais terá tesão por mim e Bárbara nunca saberá que fui amante do meu genro durante 2 longos anos.

 

 

 

(Deixemos claro que esse texto é uma ficção criada por mim através dessa cabecinha doente numa tarde de quarta-feira de cinzas.)



 Escrito por Clareador Cerebral às 14h41
[   ]





 



M.P
BRASIL,
Histórico
  16/05/2010 a 22/05/2010
  07/02/2010 a 13/02/2010
  20/12/2009 a 26/12/2009
  22/11/2009 a 28/11/2009
  13/09/2009 a 19/09/2009
  16/08/2009 a 22/08/2009
  09/08/2009 a 15/08/2009
  26/07/2009 a 01/08/2009
  19/07/2009 a 25/07/2009
  05/07/2009 a 11/07/2009
  28/06/2009 a 04/07/2009
  21/06/2009 a 27/06/2009
  25/01/2009 a 31/01/2009
  11/01/2009 a 17/01/2009
  30/11/2008 a 06/12/2008
  23/11/2008 a 29/11/2008
  16/11/2008 a 22/11/2008
  13/07/2008 a 19/07/2008
  22/06/2008 a 28/06/2008
  18/05/2008 a 24/05/2008
  20/04/2008 a 26/04/2008
  03/02/2008 a 09/02/2008
  13/01/2008 a 19/01/2008
  02/12/2007 a 08/12/2007
  18/11/2007 a 24/11/2007
  21/10/2007 a 27/10/2007
  07/10/2007 a 13/10/2007
  30/09/2007 a 06/10/2007
  09/09/2007 a 15/09/2007
  26/08/2007 a 01/09/2007
  19/08/2007 a 25/08/2007
  12/08/2007 a 18/08/2007
  29/07/2007 a 04/08/2007
  22/07/2007 a 28/07/2007
  15/07/2007 a 21/07/2007
  08/07/2007 a 14/07/2007
  24/06/2007 a 30/06/2007
  10/06/2007 a 16/06/2007
  03/06/2007 a 09/06/2007
  27/05/2007 a 02/06/2007
  13/05/2007 a 19/05/2007
  06/05/2007 a 12/05/2007
  22/04/2007 a 28/04/2007
  08/04/2007 a 14/04/2007
  01/04/2007 a 07/04/2007
  25/03/2007 a 31/03/2007
  18/03/2007 a 24/03/2007
  11/03/2007 a 17/03/2007
  04/03/2007 a 10/03/2007
  25/02/2007 a 03/03/2007
  18/02/2007 a 24/02/2007
  11/02/2007 a 17/02/2007
  04/02/2007 a 10/02/2007
  28/01/2007 a 03/02/2007
  21/01/2007 a 27/01/2007
  14/01/2007 a 20/01/2007
  07/01/2007 a 13/01/2007
  31/12/2006 a 06/01/2007
  24/12/2006 a 30/12/2006
  10/12/2006 a 16/12/2006
  26/11/2006 a 02/12/2006
  12/11/2006 a 18/11/2006
  29/10/2006 a 04/11/2006
  22/10/2006 a 28/10/2006
  15/10/2006 a 21/10/2006
  30/07/2006 a 05/08/2006
  23/07/2006 a 29/07/2006
  16/07/2006 a 22/07/2006
  09/07/2006 a 15/07/2006
  02/07/2006 a 08/07/2006
  11/09/2005 a 17/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005
  31/07/2005 a 06/08/2005
  24/07/2005 a 30/07/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  15/05/2005 a 21/05/2005
  08/05/2005 a 14/05/2005
  01/05/2005 a 07/05/2005
  24/04/2005 a 30/04/2005
  17/04/2005 a 23/04/2005
  03/04/2005 a 09/04/2005
  27/03/2005 a 02/04/2005
  20/03/2005 a 26/03/2005
  13/03/2005 a 19/03/2005
  06/03/2005 a 12/03/2005
  27/02/2005 a 05/03/2005
  20/02/2005 a 26/02/2005
  13/02/2005 a 19/02/2005
  06/02/2005 a 12/02/2005
  30/01/2005 a 05/02/2005
  23/01/2005 a 29/01/2005
  16/01/2005 a 22/01/2005
  09/01/2005 a 15/01/2005
  02/01/2005 a 08/01/2005
  26/12/2004 a 01/01/2005
  19/12/2004 a 25/12/2004
  12/12/2004 a 18/12/2004
  05/12/2004 a 11/12/2004
  21/11/2004 a 27/11/2004
  14/11/2004 a 20/11/2004
  07/11/2004 a 13/11/2004
  31/10/2004 a 06/11/2004
  24/10/2004 a 30/10/2004
  17/10/2004 a 23/10/2004
  10/10/2004 a 16/10/2004
  03/10/2004 a 09/10/2004
  26/09/2004 a 02/10/2004
  12/09/2004 a 18/09/2004
  05/09/2004 a 11/09/2004
  29/08/2004 a 04/09/2004
  22/08/2004 a 28/08/2004
  15/08/2004 a 21/08/2004
  08/08/2004 a 14/08/2004
  01/08/2004 a 07/08/2004
  18/07/2004 a 24/07/2004
  11/07/2004 a 17/07/2004
  04/07/2004 a 10/07/2004
  27/06/2004 a 03/07/2004
  20/06/2004 a 26/06/2004
  13/06/2004 a 19/06/2004
  06/06/2004 a 12/06/2004
  30/05/2004 a 05/06/2004
  23/05/2004 a 29/05/2004
  09/05/2004 a 15/05/2004


Meus Links
  Clube da des(Conquista)
  Chorumelos (um blog com perspectiva totalmente masculina!)
  Deposito de Neuras
  Mulher o Suficiente
  Anônimo Incógnito - Diálogos Insanos
  Volume I
  P2B
  Um duelo - eu e ela.
  Nana Yazbek
  Leu porque quis
  Tchutchubiruba
  Caraqteres
  Cultura Pop by Lady O.
  Berenice disse